RRAF0091

AMUSUH e ministério do Turismo apoiam projetos municipais

As diversas formas de aproveitamentos das centenas de lagos das usinas para além da geração elétrica continua sendo uma prioridade da Associação Nacional dos Municípios Sedes de Usinas Hidroelétricas e Municípios (AMUSUH). Em reunião no ministério do Turismo, a Associação apresentou as primeiras iniciativas que devem se tornar modelos para outros municípios. Os novos aproveitamentos das águas para o turismo, pesca esportiva, esportes náuticos e aquicultura vão gerar emprego, renda e desenvolvimento social para as regiões dos lagos.

O presidente da AMUSUH e prefeito de Abdon Batista (SC), Lucimar Salmória, apresentou os trabalhos em andamento no seu município que também podem servir de exemplo para outras prefeituras. “Temos um grande projeto regional que vai abarcar oito municípios. É um projeto que contempla um nicho do mercado catarinense. Quando concebemos esse projeto, analisamos todos os lagos do Estado. Infelizmente ainda temos poucas marinas. Os lagos servem apenas para gerar energia. Estamos trabalhando para ter uma navegação de 42 quilômetros de extensão. Já estamos bem avançados em nossos projetos”, afirmou Salmória.

Já o prefeito de Sud Menucci (SP), Julio César Gomes, destacou o estado atual das iniciativas turísticas na região e pediu mais apoio para novos empreendimentos. “O complexo de águas na nossa região é raro em todo mundo. Temos que explorar melhorar. Hoje é a pesca esportiva a principal atividade. Temos o maior canal artificial da América do Sul com 12 quilômetros de extensão ligando o rio Tietê, o lago de Três Irmãos com o lago de Ilha Solteira. Ele garante o equilibro hídrico da região. Explorados muito a pesca e os esportes náuticos. Os 10 municípios da região já são muito turísticos. Temos uma boa receita desse setor. Em alguns eventos, a população do município dobra, mas ainda falta alavancar mais”, declarou Gomes.

O secretário Nacional de Desenvolvimento e Competitividade do Turismo, Aluizer Malab, conclamou os municípios a apresentarem mais projetos para viabilizar investimentos. “Vamos estimular os municípios com projetos mais avançados para que a gente possa ir desdobrando para outras cidades. Temos que criar formas de fomento. Não é só dinheiro. Nem todos os municípios estão no mesmo nível de desenvolvimento. Aqueles mais avançados podem puxar os outros. Precisamos aprimorar a governança”, explicou Malab.

O estudo do Cenário Atual do Marco Regulatório dos Usos Múltiplos das Águas de Reservatórios de Usinas Hidroelétricas elaborado pela Associação está se tornando referência nas políticas para novas formas de aproveitamentos das águas públicas. A AMUSUH reforça a importância dos municípios participarem desse processo com a apresentação de projetos e de iniciativas econômicas e sociais que levem mais desenvolvimento em benefício dos mais de 42 milhões de brasileiros que vivem nos 734 municípios sedes de usinas e alagados.