rraf0017

AMUSUH e Meio Ambiente firmarão parceria

A Associação dos Municípios Sedes de Usinas Hidroelétricas e Alagados (AMUSUH) e o ministério do Meio Ambiente (MMA) devem firmar até o fim do ano um termo de cooperação técnica. O objetivo da parceria é intermediar o desenvolvimento de projetos entre o Ministério e os municípios e estados com a ajuda da experiência da AMUSUH. Em reunião na terça-feira (25) com o ministro interino foram discutidos projetos e estratégias para tornar os 722 municípios mais sustentáveis e produtivos.


De acordo com o secretário de Articulação Institucional e Cidadania e ministro interino, Edson Duarte, o trabalho da AMUSUH é imprescindível para o desenvolvimento com respeito à natureza. “As ações da AMUSUH garantem peso político aos nosso projetos. Queremos agilizar os licenciamentos ambientais, mobilizar municípios para projetos, capacitar gestores e firmar parcerias. A água está se tornando um recurso escasso e precisamos do apoio da AMUSUH para chegar até os municípios que têm projetos ou que precisam de ajuda para desenvolvê-los”, afirmou Duarte.

De acordo com o vice-prefeito eleito do município de Paulo Afonso, Flávio Henrique Lima, a prioridade da região é a gestão de resíduos sólidos. “Temos um consorcio de nove municípios da região para o manejo de resíduos sólidos. Os município são diferentes, mas vamos chegar a um consenso.Temos interesse de fazer uma política ambiental exemplar. Estamos trabalhando nesta vertente para garantir o bom gerenciamento sem grandes impactos ambientais., afirmou Lima.

“Há uns anos a AMUSUH vem se concentrando em ações para revitalizar e aproveitar de maneira mais eficaz os lagos das usinas. Já temos uma termo de cooperação com a secretaria da Aquicultura e Pesca (MAPA) e agora vamos trabalhar com o MMA para viabilizar projetos ambientais. Queremos expandir as ações”, afirmou a secretária-executiva da AMUSUH, Terezinha Sperandio.

Para o presidente da AMUSUH, prefeito de Salto do Jacuí (RS), Alternir Rodrigues, um dos temas mais importantes a serem aprimorados é a legislação ambiental para o cultivo de peixes.  “Queremos revitalizar os nossos lagos. No Rio Grande do Sul estamos abandonados. Não temos verbas para investir e não temos estudos ambientais. A produção de peixes em tanques-rede como já funciona em outros estados, vai dinamizar as economias locais. Mas para que os projetos funcionem realmente, é preciso fazer os estudos de impactos ambientais e acompanhar de perto a produção”, disse Alternir

 

Comentários:0

Deixe uma resposta