Copel negocia 30% de usina da Neoenergia

Copel deve adquirir 30% de participação na construção e operação da hidrelétrica Baixo Iguaçu, de 350,2 megawatts, no Paraná, cujo contrato de concessão foi assinado ontem pelo Ministério de Minas e Energia. O empreendimento, orçado em R$ 1,6 bilhão, pertence integralmente à Neoenergia. O presidente em exercício da estatal paranaense, Jaime de Oliveira Kuhn, confirma o interesse. “Estamos definindo a participação da Copel na usina, que está situada na base territorial da companhia”, afirmou.

Inicialmente, a hidrelétrica deveria entrar em operação em 2013, mas pelo contrato assinado ontem com o governo federal esse prazo foi postergado para 2016.

A estatal paranaense Copel vai adquirir uma fatia, de aproximadamente 30%, na construção e operação da hidrelétrica Baixo Iguaçu, de 350,2 megawatts (MW) de capacidade, no rio Iguaçu (PR), cujo contrato de concessão foi assinado segunda-feira com o Ministério de Minas e Energia (MME). O projeto, de R$ 1,6 bilhão, pertence integralmente à Neoenergia, por meio da concessionária Geração Céu Azul.

Com a decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que confirmou a legalidade do licenciamento ambiental do projeto, e a assinatura do contrato de concessão, a Neoenergia deve chegar a um acordo com a Copel.

Uma fonte ligada explicou que as negociações continuam e que a Copel ficará com a fatia de 30% no empreendimento. O presidente em exercício da estatal paranaense, Jaime de Oliveira Kuhn, confirmou o interesse pela usina. “Estamos definindo a participação da Copel no empreendimento, que está situado na base territorial da companhia”, afirmou o executivo.

O Valor também apurou que os acionistas da Neoenergia – Previ, Iberdrola e BB Banco de Investimentos – estão satisfeitos com a parceria com a Copel, que já vem sendo costurada há algum tempo. Na visão deles, a parceria em investimentos em geração é importante para diversificar o risco.

O projeto de Baixo Iguaçu foi licitado em 2008. A usina, porém, nunca saiu do papel, porque a licença prévia emitida pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) estava suspensa pela Justiça a pedido do Ministério Público Federal. O órgão alegava que a licença não atendia o Plano Nacional de Recursos Hídricos.

Pelo contrato assinado na segunda com o MME, o prazo para o início de operação da usina foi adiado de 2013 para 2016. A concessão tem duração de 35 anos. A hidrelétrica tem garantia física de 172,8 megawatts médios e fornecerá 70% da energia ao mercado cativo, pelo preço atual de R$ 120,26/megawatt-hora.

Por uma recomendação do governador Beto Richa (PSDB-PR), a Copel busca intensificar a atuação no setor de geração, a exemplo do que fez a Cemig. A estatal quer utilizar sua experiência no rio Iguaçu, onde já controla três hidrelétricas, para agilizar o processo de licenciamento ambiental da usina junto ao IAP. O órgão estadual é subordinado ao governo paranaense, controlador da companhia elétrica.

A composição acionária do empreendimento pode incluir ainda a participação da Eletrosul e Furnas. Procurada, a Eletrosul informou que “a possibilidade de participação no projeto da usina está em análise”.

A assinatura do contrato de concessão de Baixo Iguaçu foi um dos últimos atos do presidente da Neoenergia, Marcelo Corrêa, no comando da empresa. Ele deixará o cargo no fim deste mês, quando termina o seu contrato. Ele optou por não renovar o mandato. Depois de mais de oito anos a frente da companhia, Corrêa será substituído interinamente por Solange Ribeiro, atual diretora de regulação da empresa, indicada pelos controladores da Neoenergia. À exceção de Corrêa, toda a diretoria da empresa teve o mandato renovado.

*Fonte: Valor Econômico – 22/08/2012