Banqueiros oferecem 7,5% e sindicato indica fim da greve

Em greve há nove dias, bancários de todo o país decidem hoje em assembleias se aceitam a nova proposta de aumento salarial apresentada ontem pela Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). O comando nacional, coordenado pela Contraf-CUT, decidiu recomendar aos 137 sindicatos filiados a aprovação do novo percentual de reajuste, que subiu de 6% para 7,5% (2,02% acima da inflação). Também houve melhora no piso, que passou de 6% para 8,5% (2,95% real) e nos valores de auxílio-refeição e alimentação e na parcela fixa da participação nos lucros (PLR), de 10%.

– Foi uma proposta positiva em relação ao ano passado, quando tivemos aumento real de 1,5%, depois de 21 dias de greve. Agora vamos negociar banco a banco outras questões que ficaram fora do acordo, como o desemprego – disse Carlos Cordeiro, coordenador do comando de greve e presidente da Contraf-CUT.

Os petroleiros aprovaram ontem greve nacional de advertência de 24 horas hoje, informou a Federação Única dos Petroleiros (FUP) em comunicado. Os trabalhadores rejeitaram a proposta salarial feita pela Petrobras. A FUP pede 10% de aumento real e a Petrobras propôs reajuste salarial de 6,5%, mais gratificação a ser paga de uma única vez. Na sexta-feira, a categoria avalia a possibilidade de parada por tempo indeterminado.

*Fonte: O Globo – 26/09/2012